23/11/2016 às 22h13min - Atualizada em 23/11/2016 às 22h13min

Magali Queiroz e Gabi Moraes trazem Jabuti para Uberaba

[caption id="attachment_4386" align="aligncenter" width="389"]
chovechuve

chovechuve

Clique na imagem para baixar o livro no celular ou tablet[/caption]

O que é o Prêmio Jabuti para você? Os olhos da escritora ficaram cobertos de lágrimas. Foi aí que vi quão importante era para Magali Queiroz estar entre os finalistas da premiação e como a entrevista concedida ao Uberaba Popular seria emocionante.

O livro Chove Chuva – Aprendendo com a Natureza foi agraciado com o terceiro lugar na classificação do Prêmio Jabuti, a mais importante honraria literária do país, na categoria infantil digital.

A cerimônia de entrega da 58ª edição acontece nesta quinta-feira (24), no Auditório Ibirapuera, em São Paulo.

[caption id="attachment_4385" align="alignright" width="225"]
"É um sonho" define Magali emocionada[/caption]

“Para mim é um sonho. A ficha ainda não caiu. Estou ainda sem acreditar”, revela Magali.

Também, quem poderia imaginar que um mundo ainda desconhecido seria tão favorável à escritora?

Magali conta que ela não planejou fazer um livro digital. “As coisas foram acontecendo. Estava empolgadíssima com o Chove Chuva e a Thaís (leia-se Alternativa Cultural) me indicou a Gabi para fazer as ilustrações. Quando eu vi o primeiro desenho, pensei: o quê? É ela mesmo que eu quero. Conversamos. Ela me contou que trabalhava com a Escola Games e me apresentou esta modalidade de livros infantis digitais. Achei lindo. Sempre acompanhei o Jabuti e, em 2015, a categoria livro digital foi criada. Conversei com o Leopoldo, da Escola Games, e decidimos fazer o Chove Chuva digital e inscrevê-lo no Jabuti".

Parece simples, mas não foi. Não é só ter uma boa história e desenhos em movimento. A programação de um livro digital é cara e Magali não dispunha de recursos para investir.

Para o livro digital existir, o visionário criador da Escola Games, Leopoldo Xavier, aceitou permutar com a escritora. Magali escrevia para a plataforma em troca dos trabalhos de programação que a equipe de Xavier fazia.

Os custos diminuíram, Magali arcou com algumas despesas com multimídia e o livro, finalmente, foi liberado para download no dia 22 de dezembro de 2015, como manda os critérios para inscrição no Jabuti.

“O trabalho foi feito em duas etapas. Primeiro lançamos o livro impresso pela Editora Alis. Fui contratada para ilustrar. Depois, quando a Magali e o Leopoldo resolveram fazer a versão digital, refizemos o trabalho que valeu tanto a pena”, conta a ilustradora Gabi Moraes.

[caption id="attachment_4384" align="alignleft" width="300"]
Gabi e Magali: parceria premiada e futuros trabalhos[/caption]

A dupla premiada, Gabi e Magali, planeja outros trabalhos. As duas estão desenvolvendo a personagem Flora, que deve circular pelas redes sociais e home page da escritora em breve.

Ao longo da entrevista, Magali citou o incentivo do marido, Edson Queiroz, ao seu trabalho infantil,  a neta e fiel leitora, Yasmim, e lamentou o encerramento das atividades da livraria Alternativa, da amiga Thaís Syllos Colus. “Era o único espaço inteiramente cultural que nós tínhamos”.

O fato é que Uberaba continua mostrando que tem talento. Magali, aos 55 anos, chora ao falar de um dos maiores reconhecimentos do seu trabalho. Enquanto Gabi, aos 25, vive a expectativa de que seus desenhos possam levá-la ainda mais longe.

Hoje, as duas estão em São Paulo, mas amanhã, ninguém sabe aonde o talento delas poderá chegar.


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://uberabapopular.com.br/.
Plantão
Atendimento
Envie a sua sugestão de notícia pelo PLANTÂO.