23/11/2016 às 09h53min - Atualizada em 23/11/2016 às 09h53min

Bola: coração em duas rodas

[caption id="attachment_4331" align="alignleft" width="193"]
bola_1

bola_1

Bola mostra a coleção[/caption]

Companheira de tantas pessoas, a bicicleta é constantemente usada para trabalho ou lazer. Apaixonado por bicicletas, Rogério Augusto, de 33 anos, conhecido como Bola, tem o hobby de reformá-las e customizá-las em modo retrô. “Gosto de dar vida à bicicleta.  Dar uma volta e curtir o trabalho que fiz nela”.

São vinte bicicletas recuperadas e customizadas.  Bola conta que aprendeu a gostar de bicicletas com o seu pai, Luís Alberto. “Cresci vendo meu pai montar e desmontar bikes. O cuidado dele com elas, aquela dedicação e carinho que ele tinha foi me contagiando. Fui pegando amor também”.

O trabalho de Bola começou há quinze anos em São Paulo, onde nasceu. A intenção não é comercializá-las. Ele conta que já vendeu uma e se arrependeu. O comprador não cuidou como ele achava que tinha que ser cuidada. Além do mais, Bola acaba se apaixonando por cada uma delas. “A gente pega amor na bicicleta depois de pronta. Tem pessoas que não cuida da bicicleta como se deve”.

[caption id="attachment_4336" align="alignleft" width="300"]
bola-6

bola-6

Monareta Dobramatic - Primeiro amor e primeira bicicleta que Bola montou e desmontou.[/caption]

Bola faz questão de comprar bicicletas, inteiras ou peças, em ferro velhos, bicicletarias. Ele garante que confere a procedência das bikes que lhes são oferecidas e, quando desconfia, pede a nota fiscal.

O trabalho é engenhoso. O customizador também produz peças utilizadas nas suas reformas. Tudo feito à mão e em casa. Atualmente, ele está empenhado em uma Goricke Cargueira, modelo alemã.

A média de tempo para realizar a reforma e a customização de uma bicicleta é de duas semanas. O processo consiste em desmontar, lixar, pintar, esperar secar, produzir as peças e

[caption id="attachment_4337" align="alignleft" width="300"]
bola-7

bola-7

Monark Brisa - Bola quer dar a bicicleta para o seu primeiro filho, quando ele nascer.[/caption]

montar novamente. “Algumas bikes eu deixo de canto por um tempo, porque precisa de peças novas, e às vezes e eu não tenho dinheiro”. Desempregado, Bola gasta de R$ 800 a R$4 mil em cada customização e a sua coleção está avaliada em R$ 20 mil.

Para estar por dentro das tendências, Bola busca informações na internet e troca ideias com outros conhecedores de bicicletas.

[gallery link="file" td_select_gallery_slide="slide" ids="4340,4339,4338,4337,4336,4331,4333,4334,4335,4341"]


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://uberabapopular.com.br/.
Plantão
Atendimento
Envie a sua sugestão de notícia pelo PLANTÂO.