18/11/2016 às 12h51min - Atualizada em 18/11/2016 às 12h51min

Estudantes são molestadas dentro de ônibus do transporte coletivo

terminal-2

terminal-2

As estudantes A.K.G.O e A.V.C., ambas de 17 anos, registraram um Boletim de Ocorrência afirmando terem sido molestadas dentro do ônibus do transporte público, em Uberaba. Amigas, elas relatam que haviam saído mais cedo da escola na manhã de quinta-feira (17) e embarcaram no ônibus do BRT,  na plataforma Conde Prados, a estação de número 5, na avenida Leopoldino de Oliveira. “Entramos no ônibus e estava lotado, depois de um tempo percebi que um cara estava atrás de mim e me encostando demais, então me afastei, mas ele começou a fazer a mesma coisa com a minha amiga”, contou A.V.C.”.

Ainda segundo uma das vítimas contou a polícia, o rapaz se aproximou da outra jovem e também a molestou. “Vimos quando ele fechou o zíper da calça e quando chegamos no terminal percebi que a camiseta da minha amiga estava molhada, provavelmente por ele ter ejaculado, tentamos tirar satisfação, mas ele simulou estar armado e então fugiu”, explicou.

O suspeito, conforme narraram as estudantes vestia calça jeans e blusa com capuz, pardo e apresentava cerca de 25 anos. Dentro do ônibus onde os abusos aconteceram não havia câmeras. Mas no terminal de transporte coletivo há equipamentos instalados. Rodrigo Oliveira, presidente da Transube, a Associação de Empresas de Transporte Coletivo de Uberaba, disse que alguns funcionários do terminal viram quando as jovens tentaram perseguir o rapaz, mas informou que nenhuma imagem foi gravada. “Não temos imagens, mas os motoristas foram orientados a ficarem mais atentos para evitar novas situações, câmeras estão sendo instaladas em todos os ônibus, para garantir mais segurança”, concluiu.

Nas ruas, as mulheres que usam o transporte público relatam as experiências constrangedoras do dia a dia.

A Faxineira Fátima Cardoso vai para o trabalho de ônibus todos os dias. Ela é mais uma vítima de abuso dentro do transporte público. Mas como a maior parte, das mulheres, preferiu se calar. “Peguei o ônibus na praça Rui Barbosa, estava lotado e tinha um homem atrás de mim, me encostando muito, foi horrível, mas tentei mudar de lugar, preferi ficar calada para evitar confusão”, revelou.

O capitão da Polícia Militar Anderson de Pinho faz um alerta sobre a importância de tornar o caso público, denunciar para que os responsáveis pelos abusos sejam punidos. “A polícia só consegue tomar providência, quando as vítimas e as pessoas que testemunham esse tipo de situação denunciam, quando os casos são abafados, quem comete os abusos permanece impune”, completou.


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://uberabapopular.com.br/.
Plantão
Atendimento
Envie a sua sugestão de notícia pelo PLANTÂO.