01/09/2016 às 16h58min - Atualizada em 01/09/2016 às 16h58min

Cadê os tachões que estavam lá?

O sistema BRT/Vetor foi inaugurado em Uberaba no dia 31 de janeiro de 2015. Aprovado pela maioria dos usuários do transporte coletivo, os gastos não planejados com manutenção e reformas são questionados pelos uberabenses.

Alvos de diversas reclamações dos motoristas, a população foi surpreendida com a retirada dos segregadores (tachões) da avenida Leopoldino de Oliveira em agosto.

Os tachões delimitavam o corredor exclusivo para ônibus. Após a retirada, o governo municipal providenciou a sinalização horizontal com a pintura do asfalto e anunciou a compra de novos sinalizadores (olhos de gato). Os mesmos que foram utilizados na revitalização da avenida Santos Dumont. Vale lembrar que as regras para o trânsito do local não sofrerão mudanças após a instalação dos sinalizadores.

A reportagem do Uberaba Popular levou ao secretário municipal de Defesa Social, Trânsito e Transportes, Wellington Cardoso Ramos, as principais indagações da população. De acordo com ele, as mudanças não são motivos para alardes e aconteceram para dar mais segurança aos motoristas e melhorar o sistema implantado. UP - O que de fato aconteceu com os tachões? Houve erro da PMU em colocar e retirar o material neste curto prazo? WC - Não houve erros nem lá atrás e nem agora. A opção inicial foi porque havia o receio de que os motoristas não respeitassem a faixa exclusiva. Sendo o segregador mais alto, obrigatoriamente, as pessoas iriam respeitar. Com a reposição de piso da avenida, feita neste período, muitos destes segregadores foram perdidos.  Entendemos que já havia o processo de conscientização das pessoas quanto à faixa exclusiva dos ônibus e optamos por não colocar mais os segregadores e vamos colocar os olhos de gato. UP - Essa substituição não estava planejada. Qual o custo dessa mudança? Lembrando que, na época da implantação, o valor das peças foi muito especulado.  WC - Te confesso que não sei valores. Nem lá de trás e nem de agora. Na obra inicial eu não posso informar porque não estava com a equipe responsável. E o investimento de agora não é feito pela Secretaria de Trânsito. Então, não posso te dizer. Até porque tem a situação de que onde foram feitas as obras do Projeto Água Viva, o Codau tem a responsabilidade de revitalizar esses locais. UP - Por isso os funcionários do Codau trabalharam durante a noite na retirada dos tachões? WC - Sim. Porque o Codau tem que recuperar o que foi danificado em função do Água Viva. UP - Em outras declarações, você disse que os segregadores serão reutilizados em outras áreas, mas tratam-se de materiais frágeis. Será possível reaproveitá-los? WC - Sim. Não todos. Mas grande parte será reutilizada. UP - A instalação dos olhos de gato acontecerá quando? WP - Foi um processo muito rápido para fazer a retirada. Não dá para estabelecer prazos. O fato é que eles são iluminados, menores e devolve a segurança aos motoristas que deixarão de andar em fila indiana e poderão colocar um carro ao lado do outro sem danificar o veículo.

Um ano e meio após a implantação do sistema BRT, os comerciantes do centro de Uberaba estão apreensivos quanto ao futuro dos seus negócios.

Lojistas da galeria Rio Negro há algumas décadas, os proprietários do salão Vasco Cabeleireiros relatam queda de 45% dos clientes. Para Cláudia Rodrigues, o Vetor tirou a movimentação dos pedestres impedindo a chegada de novos clientes e, para piorar, a proibição do estacionamento fez com que clientes assíduos deixassem de frequentar o estabelecimento.  “É alarmente a queda no movimento. Somente aqui na galeria três lojistas fecharam as portas. Estamos preocupados porque desde as obras do Água Viva nossa clientela vem diminuindo e agora estamos fazendo tudo para segurar as pontas”.

Para os usuários do transporte coletivo, o sistema trouxe benefícios, mas as antigas reclamações, sobretudo quanto à lotação e ausência de ônibus em algumas linhas, ainda são constantes.

Para Dalva Francisco da Silva, de 76 anos, moradora do Parque das Américas, o BRT não lhe trouxe benefícios. Para fazer o deslocamento do bairro onde mora ao Hospital de Clínicas, que fica no bairro Abadia, por exemplo, ela utilizava apenas uma linha e o tempo para fazer o trajeto era menor. “Antes eu tinha que sair de casa às 11h para uma consulta marcada para o meio dia. Hoje, tenho que pegar um ônibus no meu bairro, descer no terminal e pegar outro para ir para o hospital. Para não perder a consulta tenho que sair de casa antes das 10h”.

Em janeiro deste ano, o prefeito Paulo Piau liberou o início das obras dos Terminais Sudoeste – que passa pelas avenidas Juca Pato, João Dallacqua, Dona Maria de Santana Borges, Saudade e Bento Ferreira - e Sudeste – com trajeto pelas avenidas Bandeirantes, Abílio Borges, Nelson Freire e Guilherme Ferreira.

O projeto deste eixo é diferente do que foi executado nos terminais Leste e Oeste. Nesta nova fase do BRT/Vetor, os estacionamentos das avenidas serão mantidos, as estações de embarque e desembarque são retangulares e os tamanhos serão definidos de acordo com o fluxo de usuários.  Apenas as avenidas Maria de Santana Borges e Saudade terão faixa exclusiva para ônibus. Nas demais vias, o corredor será compartilhado.


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://uberabapopular.com.br/.
Plantão
Atendimento
Envie a sua sugestão de notícia pelo PLANTÂO.