11/11/2016 às 08h13min - Atualizada em 11/11/2016 às 08h13min

Ministério Público investiga fraude no Bolsa Família em Uberaba

O Ministério do Desenvolvimento Social Agrário (MDSA) está fazendo um levantamento em todo país, para descobrir irregularidades nos benefícios do Bolsa Família. Até agora ficou constatado, segundo o órgão, que 1,1 milhão de benefícios estão irregulares.  Neste caso os beneficiados suspeitos tiveram o pagamento suspenso até que sejam esclarecidos eventuais erros no cadastro deles.

Das cerca de cinco mil famílias atendidas pelo programa em Uberaba, 320 estão sendo investigadas pelo Ministério Público e a equipe do Cadastro Único da Secretaria de Desenvolvimento Social. Elas estão em uma lista de inconsistência do Governo Federal e correm o risco de serem cortadas do programa. Segundo o secretário Roberto Luís de Oliveira, esse trabalho tem o objetivo de identificar beneficiários cadastrados, mas que possuem outra renda.

“Uberaba recebe muitas pessoas de fora, normalmente estas famílias já têm cadastro nas suas cidades de origem e fazem um novo recadastramento em Uberaba.  E cabe a nós da SEDS cruzar os dados e investigar se as informações que nos foram repassadas são verídicas”, explica o secretário. “Atendendo as normas do Governo Federal, nós recadastramos estas pessoas e enviamos os formulários para atualização do cadastro único. E foi com base nas informações deste cadastro que o Ministério Público detectou que 320 benefícios estavam irregulares e foi pedida a averiguação da situação destas famílias”, continua.

Nove pessoas divididas em três equipes estão visitando as famílias e fazendo o trabalho de cruzamento de dados. São assistentes sociais, psicólogos e outros funcionários. “Tivemos casos de pessoas que ao serem abordadas negaram estar recebendo o benefício. Neste caso elas foram orientadas a procurar a Caixa Econômica Federal para fazer as adequações necessárias. Já nos casos em que é verificada a fraude a gente coloca a fiscalização em cima, conforme orientação do Governo Federal”, diz Oliveira. Segundo ele, quem burlar o programa certamente terá o benefício cancelado. “Temos até dezembro para finalizar este trabalho de investigação e entregar o levantamento para o Ministério Público”, afirma.

Para receber o benefício, a primeira regra a ser observada é a renda familiar: se somar a renda de todas as pessoas da casa e chegar a uma média de R$ 354 reais, a família tem direito ao benefício. “O nosso trabalho é averiguar tudo isso. Nós temos que fazer as coisas corretamente para beneficiar aquelas pessoas basicamente carentes. Este valor pago pelo programa, muitas das vezes é o mínimo que a pessoa tem para fazer uma alimentação, comprar um remédio. Por que isso aí não é salário”, reforça.

Ainda segundo o secretário, as pessoas interessadas podem procurar os Centros de Referência da Assistência Social “CRAS” ou ir até a SEDS que fica na rua Irmão Afonso, 617, no bairro São Sebastião.

Quem pode receber o Bolsa Família

Para participar do programa, é preciso que a família esteja em situação de pobreza e extrema pobreza. Isso significa que as famílias devem ter renda mensal de até R$ 85,00 por pessoa (extremamente pobre) ou que tenham renda mensal entre R$ 85,01 e R$ 170,00 por pessoa (pobre), havendo diferenças entre os valores recebidos. No caso das famílias que estão no perfil do segundo grupo, o governo exige que haja, em sua composição, gestantes ou crianças/adolescentes entre 0 e 17 anos.

Para se candidatar ao programa, são pedidos diversos requisitos, tais como o Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal com dados atualizados há menos de dois anos. Após o cadastro, as famílias devem esperar para que sejam selecionadas (ou não) para o recebimento do benefício.


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://uberabapopular.com.br/.
Plantão
Atendimento
Envie a sua sugestão de notícia pelo PLANTÂO.