03/08/2019 às 21h08min - Atualizada em 03/08/2019 às 21h43min

Baltazares, o retorno!

Uma das mais conhecidas bandas de Uberaba está de volta após uma pausa de, aproximadamente, dois anos. A Baltazares sobe ao palco do Soho Pub, hoje a partir da meia-noite, no show que marca o retorno do grupo.

Marcinho, Zoca, João e Gustavo já marcaram presença no Favela Chic e no Gennnari, mas a apresentação desta noite está sendo vista como o grande retorno da banda que tem 22 anos de estrada.

A novidade desta nova fase é o músico Gustavo que assume o baixo da banda. “O ídolo virou integrante”, comemora o baixista, que diz ter sido fã do grupo, antes de pensar em fazer parte da formação.

Para o vocalista, Marcinho, este é o momento em que a banda volta a se reunir para fazer o que gosta, apenas por prazer, e não por sucesso ou dinheiro. “Estamos com outra cabeça e em outro momento. Hoje a gente pensa em tocar e se divertir. Não tem mais aquela pressão de que coisas aconteçam”, comenta.

O fundador da Baltazares, o baterista Zoca, comemora o reencontro e faz planos para novos projetos autorais até o final do ano. “Tô muito feliz. No gás. Acho que a gente vai se divertir muito junto e em cinco meses dá pra fazer muita coisa ainda”.

O repertório do show traz músicas autorais e covers de bandas como Faith No More, Stone Temple Pilots, CAKE, Sublime, Foo Fighetrs, Red Hot Chilli Peppers, Pearl Jam, entre outros.

“A gente vai colocar umas dez canções nossas, a tendência é aumentar com o tempo e fazer o som das bandas que parecem que caíram no esquecimento. Hoje em dia ficou tudo mais pop. Você vai aos lugares e a maioria do repertório é o mesmo. A gente tenta diferenciar um pouco, tocando coisas da nossa época e que são relevantes”, explica Marcinho.


Baltazares se apresentam hoje no Soho Pub, a partir da meia-noite | Foto: Baltazares

Do início em 1997, quando Zoca só queria ser como a Raimundos, e aprendeu sozinho a tocar cordas e bateria, para ter uma banda como a liderada por Digão, muita coisa aconteceu.

A Baltazares percorreu a região e ganhou fama após vencerem o concurso de bandas do Festival Triângulo Music em 2009 e se apresentar no mesmo palco de Biquíni Cavadão e Pato Fú.

“A repercussão na televisão, a propaganda. Foi a época em que estivemos mais em cima e que os shows aconteceram muito”, conta Zoca.

Para Marcinho, o grande momento da sua trajetória como vocalista da Baltazares foi quando os shows nos extintos Gaudí e Athos Pub recebiam centenas de pessoas, em espaços considerados pequenos. “Chegávamos para o show e tinha filas imensas, dando voltas. Aquilo era muito bom” Era bem bacana e foi o grande momento da banda”.

O guitarrista João está na banda há quinze anos e ri quando o assunto é dinheiro. “Ganhamos muito dinheiro, mas gastamos também. A gente bebia muito”, brinca.

“A verdade é que a gente não sabe administrar o dinheiro”, acrescenta Marcinho.

Quanto aos problemas de convivência, enfrentados por todas as bandas, os Baltazares dizem que é natural a discordância, mas acredita que depois de tanto tempo juntos, certos assuntos são ignorados para a relação ficar mais leve.

“Tivemos problemas por um ou outro ficar sobrecarregado com várias coisas. Espero que isso não aconteça mais (risos). Mas, a gente vai continuar tocando e resolvendo o que tiver que resolver juntos para dar certo”, diz o vocalista.

“A gente vai continuar batendo cabeça”, brinca João.

A Baltazares já tem show marcado para 24 de agosto, no Vitrola, em Araguari, e deve dar início à produção de, pelo menos, uma música própria.

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar
(caracteres restantes: 500)
Plantão
Atendimento
Envie a sua sugestão de notícia pelo PLANTÂO.