30/01/2019 às 21h32min - Atualizada em 30/01/2019 às 22h14min

Franco Cartafina assume mandato na sexta-feira

[caption id="attachment_15269" align="alignleft" width="322"]
Franco Cartafina, aos 32 anos, assume mandato na Câmara dos Deputados, em Brasília | Foto: Assessoria de Comunicação[/caption]

Os 513 deputados federais eleitos tomam posse na próxima sexta-feira (1), em sessão marcada para às 10h, na Câmara Federal, em Brasília.  Entre eles, o uberabense Franco Cartafina que assumirá o seu primeiro mandato, após vencer as eleições de outubro com 53.390 votos válidos.

Em entrevista exclusiva ao Uberaba Popular, Franco destacou o trabalho realizado na Câmara dos Vereadores local, atribuindo a ele a vitória logo na primeira vez em que pleiteou um cargo federal.

O parlamentar afirma que conduzirá o mandato o mais próximo que puder da população. Evitou diagnosticar a derrota de conhecidos nomes da política uberabense e fazer análises de possíveis projetos que serão votados ao longo do seu exercício. Confessa o desejo de disputar o mais alto cargo no Executivo, só não sabe quando, e, de saída do PHS (Partido Humanista da Solidariedade), deve anunciar a sua nova legenda após a posse.

Você nasceu político, em família de políticos. Só que a política mudou muito desde os tempos dos seus avós. E o povo (os eleitores) está totalmente descrente. Você é jovem, tem apenas 32 anos. Atribui a eleição a esse fator? O eleitor busca essa juventude como forma de renovar a política? Não. Acredito que não. Eu tenho muito trabalho realizado enquanto vereador. Eu ouvi muito: “Franco, continue fazendo em Brasília o que você faz em Uberaba. Tenha a mesma conduta, a mesma seriedade, coerência, defenda os interesses da comunidade”. Claro que, muitos votaram para a mudança e queriam novos nomes. Quanto à família, o vovô foi prefeito, mas eu não era nascido. Da minha avó eu peguei ainda um finalzinho de mandato, mas o fato de eles terem vivido a política não foi a minha motivação, nem cobrança, para que eu me tornasse político. A minha vinda para a política foi natural, do movimento estudantil, representatividade discente dentro da universidade. Foi isso.

As eleições de 2018 provaram que o eleitor quer mudança, tanto que Uberaba conseguiu eleger apenas 2 deputados. Este número já foi bem maior. Onde você acha que os deputados que foram rejeitados pelos eleitores uberabenses erraram? Olha, eu prefiro não julgar o que pode ou não ter acontecido. Prefiro falar do que eu vou fazer pelo meu mandato e como eu acho que o cargo deve ser conduzido.

O que você entende por nova política? Como você irá praticá-la? A política não mudou. O que mudou foi a conduta. O mandato precisa ser mais próximo das pessoas. Mesmo em Brasília, eu, obrigatoriamente, tendo que estar lá três vezes por semana, quero discutir temas, ouvir pessoas que pensam diferente de mim. Aqui em Uberaba, trabalhamos com gabinetes itinerantes, comunitários e isso funcionou muito bem, porque me aproximou dos meus eleitores e me apresentou a quem não me conhecia. E, como deputado, pretendo trabalhar da mesma forma. Hoje, vejo que a maioria das pessoas têm vergonha dos seus representantes. O meu objetivo é tentar resgatar a confiança destas pessoas no seu representante e acabar com o estigma de que político só aparece em época de eleição.

Em relação ao seu um mandato e meio como vereador e ao atribuir a sua vitória na Câmara Federal a este período, quais foram os seus principais projetos em Uberaba? Eu sempre me posicionei favorável às ações relacionadas à saúde. É uma das pautas que mais me motiva na política. Posso citar, a Lei 12.044, que foi um projeto idealizado para acabar com a conhecida “farra dos plantões”. O projeto obriga o município a exibir nas entradas das UPAs, UBSs e instituições municipais de assistência à saúde, uma lista diária com as especificações dos serviços oferecidos, bem como o nome, registro e especialidades dos profissionais que atendem no local. Isso dá transparência e melhora a eficiência do serviço prestado à população. Ainda na saúde, temos o Janeiro Branco que trata da conscientização e respeito à saúde mental. A data entrou no calendário municipal e acho muito importante. O Doulas*, que é a humanização do parto, liberando uma acompanhante para a gestante na hora, além do pai ou da avó da criança, para cuidar do emocional da grávida. Tem ainda o Dia do Autismo, que também foi aprovada uma data no calendário para conscientização da doença, através do Laço Azul. O ITBI Online, o BusU. Consegui algumas emendas parlamentares, que somadas, chegam a R$ 2 milhões, também voltadas para a saúde. Outro projeto que funciona é o Parlamento Jovem. Ele instiga os jovens a pensarem e a viverem a política.

[caption id="attachment_15268" align="alignright" width="294"]
"Se eu disser que não, é mentira, só não sei quando", sobre futura candidatura a prefeito de Uberaba | Foto: Assessoria de Comunicação[/caption]

Na Câmara de Vereadores, você abriu mão de algumas regalias. Dispensou carros oficiais, diárias de viagens e doou, para uma instituição de caridade, o valor equivalente ao aumento do salário de vereador, ao qual você foi contra na época. Na Câmara dos Deputados, você irá abrir mão de algum benefício? Bom, primeiro quero deixar claro que eu utilizei estes recursos em algum momento, mas depois de um tempo na Câmara, eu passei a não utilizar. Eu vi que eu conseguia pagar estas despesas e passei a custeá-las por conta própria, isso há uns dois anos antes do fim do primeiro mandato. Agora, de imediato, devo abrir mão do auxílio mudança.

Você já tem algum projeto em mente para apresentar na Câmara dos Deputados? Vou tentar tratar, devem ter projetos voltados para este assunto, mas cobrar a revisão Pacto Federativo. Não é justo que o governo tire dos municípios a maior parte do que arrecadam. Isso resulta no estrangulamento das contas das cidades, que estão quebradas e sem perspectivas de crescimento. Quero dialogar com os prefeitos para saber das demandas comuns da região, buscar recursos e melhorias.  Como eu já disse, tenho uma dedicação muito especial à área da saúde e pretendo minimizar os problemas dos usuários da saúde pública, sempre buscando recursos.

Com um cenário provavelmente mais tranquilo em Brasília, sem processos de cassação e impeachments, mas com votações polêmicas, como a da Previdência. O seu mandato será baseado nas intenções políticas do seu partido, da estabilidade política, ou seja, da situação, ou dos interesses coletivos,  também conhecidos como direitos do povo? Estou saindo do PHS, ele será incorporado ao Podemos, mas vou trabalhar como foi aqui em Uberaba. Vou ouvir as pessoas, dialogar, discutir, mas tomar decisões que estejam voltadas para o interesse comum, interessa da população. Não vou mudar isso agora. O que eu achar que faz bem pro povo terá o meu voto. Aquilo que eu não achar, não terá.

Você é a favor da Reforma da Previdência como foi apresentada? O que mudaria e o que não mudaria? Que reforma? Não vou me antecipar a um projeto que não chegou na casa ainda. Que foi proposto no mandato do “Temer”. Do jeito que é não pode ficar. Nós temos um rombo muito grande nas contas e alguma coisa precisa ser feito.

Duas vezes eleito vereador em Uberaba, em uma delas o mais votado, o mais novo entre os membros do Legislativo local e eleito na primeira candidatura a deputado com 53.390 votos. Você é o candidato certo para o governo municipal de Uberaba em 2020? Nem assumi o mandato ainda (risos). Por enquanto quero fazer um bom trabalho como deputado.

Mas não tem essa perspectiva? Se eu disser que não, é mentira. Todo mundo que passa pela política tem o sonho de ser prefeito da sua cidade. Comigo não é diferente, só não me pergunte quando.

E como você deixou Uberaba, depois de um mandato e meio na vereança? A crise financeira do Estado prejudicou os municípios e, em Uberaba não foi diferente. Acho que dentro do que foi possível, tudo foi feito. As prefeituras têm um valor destinado a investimentos aleatórios e, que elas gastam como quiserem. Aqui em Uberaba, esse caixa estava sendo utilizado para cobrir despesas básicas. Não dá para condenar uma gestão nesta situação.

_____________________________________________________________________________________ * Pessoa que auxilia uma mulher durante sua gravidez, seu parto e após o nascimento do seu bebê, providenciando apoio físico, emocional, além de disponibilizar informações sobre o processo de gestação.


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://uberabapopular.com.br/.
Plantão
Atendimento
Envie a sua sugestão de notícia pelo PLANTÂO.