19/07/2017 às 09h15min - Atualizada em 19/07/2017 às 09h15min

Toinzinho

Toinzinho foi jogador do USC desde a categoria Mirim. “Aos 16, 17 anos, já treinava com o time, com o Fabinho, o Banga, e comecei a entrar nos jogos. Era ‘ficha amarela’. Joguei de 68 a 74, quando fui vendido para o Santos”, conta.

O meia é lembrado até hoje como um dos grandes nomes do Colorado. Ídolo de gols e jogadas lindas, depois do Santos, foi para o Palmeiras, Fluminense e, em meados dos anos 80, retornou ao clube da infância e, após um empréstimo para o Bahia, voltou para encerrar a carreira em casa, no USC.

Dono de um vasto repertório de causos e piadas, o ex-jogador é reticente quanto ao “futebol moderno”. Dos anos em que defendeu o Uberaba, tem várias recordações. Uma delas é a campanha no Mineiro de 1973, quando o Zebu foi campeão do interior.

“Ganhamos do Cruzeiro de 3 x 1 no Mineirão. Depois perdemos um monte de gol contra o América. Era um quadrangular com os times de lá (Belo Horizonte), só jogava lá, era tabela dirigida. Eles ‘estavam mortos’ se a gente jogasse aqui”, comenta. “O jogo contra o Santa Cruz (em 1983) também foi marcante. A gente tinha que ganhar de 5 x 0 para ir para a Taça de Ouro, e no finzinho o Simões fez o quinto gol”.

Para Toinzinho, jogar no Uberaba foi realizar um sonho dele e da família. “Na minha família todo mundo era torcedor do Uberaba. Joguei desde os 8, 9 anos lá. O Uberaba significou tudo pra mim”.

Gol e desculpas

Torcedor do Corinthians, Toinzinho, em um jogo em que defendia o Santos, fez o gol da vitória de 1 x 0 do Peixe sobre o Timão. Ossos do ofício. Depois da partida, enviou um telegrama ao tio, que tinha o apelido de Chefão, e que era também um fanático torcedor do Coringão. “Perdão, tio Chefão”, dizia a mensagem.


Link
Notícias Relacionadas »
Plantão
Atendimento
Envie a sua sugestão de notícia pelo PLANTÂO.