13/07/2017 às 08h28min - Atualizada em 13/07/2017 às 08h28min

Uberaba fará a primeira exportação de sêmen de um animal clonado

Serão 20 mil doses de sêmen de dois touros da raça Gir Leiteiro  enviados  para a Índia.

De acordo com o coordenador de mercado internacional da ABS Pecplan, o material genético é coletado e armazenado na central de Uberaba, a única no país autorizada para a exportação. “O trabalho da ABS não começou hoje e vem sendo desenvolvido nos últimos três anos para atender a demanda do Ministério da Agricultura e de outros país, por isso blindamos a Central para que tenhamos a garantia de rigidez no controle de qualidade e possamos comercializar um produto livre de patologias”.

A Índia é considerada um mercado importante para genética zebuína. O volume de inseminações é dez vezes maior que o do brasil e atinge cerca de 120 milhões de doses ao ano.

Teatro II da Silvânia é um dos reprodutores que forneceram o material genético. O touro é um clone, animal idêntico, produzido por manipulação genética, a um outro  que morreu em 2013.

É a primeira vez que o Brasil exporta sêmen de um touro clonado para a Índia. A clonagem permite que produtores de leite continuem usando a capacidade de produção do animal. O dono do touro é de Caçapava, interior de São Paulo.

[caption id="attachment_11971" align="alignright" width="300"]
Fernando Vilela, gerente de exportação[/caption]

Segundo o gerente de exportação Fernando Vilela Vieira, quando se fala em genética leiteira, é preciso esperar determinado tempo para a produção dos animais e avaliação dessa capacidade. “Buscamos atender genética, são animais testados e avaliados de rebanhos no Brasil de seleção de longa data; não podíamos errar, tínhamos que ter segurança no material a ser exportado”.

[caption id="attachment_11968" align="alignleft" width="300"]
Rodrigo Moraes[/caption]

Essa é a segunda exportação de sêmen bovino feita pelo Brasil para a Índia.  A primeira, depois de cinco anos de negociações foi realizada em 2015, quando foram enviadas mil doses para aquele país. O processo de envio começa no Porto Seco do Triângulo, o que facilita a logística. “Facilita a vida das indústrias do Triângulo Mineiro e Sudeste. O trabalho de agilidade nos dá tempo, o que antes levávamos em torno de 30 dias, hoje por meio do Porto Seco, fazemos em 4”, explica Rodrigo Moraes.

Congelamento - O sêmen fica armazenado em tanques com nitrogênio líquido, a temperaturas bem baixas. Na sala da ABS a capacidade é para armazenar até 3 milhões de doses. O armazenamento do material genético facilita o controle na distribuição. Cerca de 90% da remessa serão destinadas a um médico veterinário indiano que esteve em Uberaba para conhecer um pouco mais da criação de zebu.

O envio será feito em duas etapas. O primeiro lote com 12 mil doses, deve chegar à índia  em agosto.


Link
Notícias Relacionadas »
Plantão
Atendimento
Envie a sua sugestão de notícia pelo PLANTÂO.