30/03/2017 às 20h13min - Atualizada em 30/03/2017 às 20h13min

Após ato, professores se reúnem com comissões de Educação e Cultura

Representantes do Sindicato dos Educadores Municipais de Uberaba (SINDEMU), Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação (Sind-UTE ) e o Sindicato dos professores de Minas Gerais (Sinpro Minas) se reuniram na tarde desta quinta-feira(30) com  membros das Comissões Permanentes de Educação e Cultura da Câmara Municipal de Uberaba.

A reunião durou pouco mais de uma hora e ocorreu após passeata dos educadores pelas ruas centrais da cidade.

O presidente do SINDEMU, Adislau Leite, lamentou que as negociações do município com a categoria sequer foram abertas. “ Consideramos que 0% não é proposta”.

A categoria aproveitou o encontro com os vereadores para denunciar possíveis coações aos profissionais da Educação, entregando documento expedido pela Secretaria Municipal que determina o lançamento das faltas dos grevistas na folha de ponto.

 Vereadores assumiram o compromisso de agendar reunião com a secretária de Educação, Silvana Elias o mais breve possível para apresentar as questões levadas e debatidas com o legislativo.

Presidente da Comissão de Educação, o vereador Rubério Santos, ressaltou que a busca pela melhoria salarial é justa e o diálogo fundamental entre a classe educadora e administração municipal. “Temos de buscar soluções para não prejudicar nenhuma das partes, principalmente a população”.

O vereador Alan Carlos destacou que a Comissão cumpre a missão que intermediar as negociações entre as partes, já que se trata de uma questão muito sensível que envolve um setor tão importante como a Educação. Já o vereador Agnaldo Silva, chamou a atenção para o fato de que, com o aumento da demanda na Educação em Uberaba, os 15% de reajuste do Fundeb de 2015 para 2016,  talvez não tenham sido suficientes para cobrir esses custos.

Em nota, a Secretaria Municipal de Educação informou que diante da paralisação que já dura quatro dias, a pasta trabalha com 95% do efetivo. Desde segunda-feira (27), dos quase 3.500 servidores, 548 teriam aderido ao movimento.

Conforme a nota da Secretaria falta entendimento ao Sindicato sobre o fato de que quem paga piso na região de Uberaba, paga proporcional, não paga ticket e não paga plano de saúde. Sobre as denúncias de coação, a secretaria afirma que nunca existiram e destaca o comprometimento do governo municipal, com os servidores e com as famílias uberabenses.

Na última sexta-feira, em reunião com os diretores, a secretária de Educação Silvana Elias disse que orientação foi para que, nos casos pontuais de greve, os pais fossem informados para não levarem as crianças para as unidades escolares. “Os diretores atenderam esta determinação, sendo que apenas algumas situações pontuais foram registradas, como professores que garantiram a presença na sala de aula na segunda e não compareceram. Nesta situação, a diretora mantinha a criança em segurança na escola, até os pais poderem buscar, já informando para não levá-la à escola no dia seguinte, o que evitou esta dobra de turno. O direito de greve é garantido, assim como o direito de quem quer trabalhar. A democracia não é unilateral”, finaliza.


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://uberabapopular.com.br/.
Plantão
Atendimento
Envie a sua sugestão de notícia pelo PLANTÂO.