28/03/2017 às 17h30min - Atualizada em 28/03/2017 às 17h30min

Exército realiza Operação Rastilho III no Triângulo Mineiro

Começou na manhã desta terça-feira (28) e segue até o fim da semana a Operação Rastilho III, que fiscaliza empresas e rodovias no Distrito Federal, Goiás, Tocantins e Triângulo Mineiro para coibir comercialização ilegal e desvio de explosivos e cargas perigosas.

No Triângulo Mineiro,  a base da operação foi montada em frente ao posto de fiscalização da Receita Estadual, no município de Delta, a 35 km de Uberaba.

O trabalho é coordenado pela Seção de Fiscalização de Produtos Controlados do Exército e além das rodovias, vai passar pelas empresas do ramo. “Em função de ocorrências dos últimos anos a fiscalização foi intensificada, são mais de 300 unidades militares participando, para evitar que explosivos e materiais semelhantes comprados por empresas devidamente registradas no Exército sejam desviados e caiam nas mãos de criminosos”, explica a capitão Sabrina de Oliveira, chefe da Seção de Fiscalização de Produtos Controlados do 2ª Batalhão Ferroviário.

A BR 050 entre São Paulo e Minas Gerais, é uma das principais rotas onde acontece o desvio de explosivos, usados geralmente na explosão de caixas eletrônicos na região. Por conta disso, a fiscalização vai ocorrer também nas empresas do ramo. “A parte de comercialização, fabricação, importação, exportação e transporte é fiscalizada pelo Exército Brasileiro, se observar carga que não tenha guia de tráfico e toda documentação prevista, nós acionamos a PM para fazer o auto de prisão em flagrante”.

A função da Receita Estadual é analisar todas as notas fiscais dos produtos para garantir que procedência e destino estão corretos.

Além do Exército, dão apoio a Operação, as polícias Militar e Rodoviária Federal. Fiscais do IBAMA, o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis, também vão analisar a documentação das cargas consideradas perigosas, como combustíveis e defensivos agrícolas. Para trafegar nas rodovias interestaduais é preciso ter registro no órgão. “O IBAMA emite essa autorização que é de porte obrigatório para o transporte rodoviário interestadual de produtos perigosos, caso isso seja descumprido, além da apreensão do veículo e retenção da carga, a empresa pode pagar multa de até R$ 50 milhões, conforme a intensidade do dano causado ao meio ambiente e o porte empresarial”, esclarece o Chefe da Divisão Técnica do IBAMA de Belo Horizonte, Gutemberg machado Mascarenhas.

No trecho da BR 050, entre Delta e Uberaba passam cerca de 20 mil caminhões por dia. Júlio César Ribeiro é caminhoneiro e faz transporte de material hospital há 30 anos. “Aprovo a iniciativa, isso nos deixa mais seguros de que as autoridades estão atentas”.

 De Blumenau, em Santa Catarina, Lúcio Aniceto de Souza diz que está acostumado ao procedimento de fiscalização. “ Há 15 anos que faço transporte de combustíveis, mostro toda a documentação e sigo viagem tranquilo”.


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://uberabapopular.com.br/.
Plantão
Atendimento
Envie a sua sugestão de notícia pelo PLANTÂO.